quinta-feira, novembro 09, 2006

Questão de autoridade


Essa semana foi aniversário do meu pastor... E nós, como boas ovelhas, fizemos o que foi possível pra animar mais as coisas e dar a ele, ainda que pouco, uma festa e uma surpresa. E na surpresa (que também pra nós foi uma surpresa) fomos falando pra ele em relação ao que ele é pra nós. Parecia ser tão fácil, mas de repente, a gente começa a gaguejar... é difícil falar certas coisas na frente de uma denominação, até mesmo pro pastor, mas lá estávamos nós, falando de sua importância em nossas vidas. Em meio a vários “eu te amo, você é importante, sua presença é marcante”, alguns entraram em concordância em uma coisa: “Pastor, nós estamos com você nessa batalha, assim como você é exemplo pra gente, nós também seremos exemplo. Vocês pagam um preço... e nós queremos estar junto”. Mas ele se levanta, olha para a igreja e diz: “Se vocês forem até minha casa, verão os presentes que ganhei... mas troco todos por momentos como este...”

Deus sempre fez questão de usar os homens para sua obra, até mesmo porque nós como seres humanos precisamos de alguém com que possamos nos identificar. Em geral, essas pessoas são nossos pastores e líderes. Entendemos que existe uma questão de autoridade, mas ela só pode ser realmente trabalhada no nível em que se deve mediante ao entendimento de algo muito importante: o dever que eu, como ovelha, tenho de amar ao meu pastor.

Por mais que sejam criticados, pastores eram, dentro do contexto judaico, extremamente importantes, inversamente aos conceitos egípcios. Mesmo sendo aos nossos olhos considerado simples, ser pastor em Israel é honra: você já percebeu que Abraão era pastor? Que Moisés, antes de libertar o povo israelita, ficou sendo pastor dentro daquele período de tempo entre o reinado e o êxodo? Davi, o grande rei, era pastor, e considerava a Deus como sendo seu pastor? “Estranho”, não? Usando de exemplos no mundo físico levando a referências no espiritual. Mas Deus leva a seus servos trabalharem nesse aspecto: o de cuidar de vidas e tratá-las. Os pastores, no caso, num nível ainda maior.

Se não existe essa valorização do lado pastoral, agora falando no contexto espiritual, como podemos agir da forma correta? Já comentamos a respeito de esforço demasiado e esgotamento espiritual, e isso se aplica em relação aos pastores também: somente eles, sem a ajuda dos membros, é apenas um pra muito trabalho. Paulo, escrevendo a Timóteo, seu filho na fé, disse:

“Lembrando-me das tuas lágrimas, desejo muito ver-te, para me encher de gozo; trazendo à memória a fé não fingida que há em ti...” (2Tm 4-5a)

Entender que a minha fé não pode ser uma fé fingida é o passo mais importante para que possamos estreitar um relacionamento com o Senhor, e além disso, faz com que eu não minta em relação ao que eu sinto em relação tanto com a obra como com a minha liderança. E a fé vem pelo ouvir da Palavra: sai da boca de quem mesmo durante os cultos? Deus levanta pessoas para direcionar nossos passos diante de Deus. Nos ensinar mais sobre a Palavra, nos alimentando. Prestam contas por isso. Pagam um preço alto por nós, pois amam as ovelhas. Não posso generalizar, eu sei, afinal existem muitos por aí que as vezes dão o que falar, mas cada um de nós temos um pastor, e querendo ou não, ele tem uma vida exposta. Acredito, piamente, que não posso deixar com que ele sofra tudo só: tenho que fazer a minha parte também. Afinal, ele ainda é um ser humano tal como eu, com falhas, defeitos, personalidade, mas acima de tudo, alguém que cuida de mim.

Mesmo pequena, eu sei, essa palavra é só pra dar um toque em relação a vivermos honrando aqueles que nos honram, corrigem, alimentam, tratam.

Deus abençoe, com mais amor,
Jef!!!

4 Comments:

Anonymous Scheila said...

mto verdadeira essa palavra...
eu como filha de pastor, sei como meu pai "sofre" por ver as ovelhas tomando o rumo errado e ñ ouvindo os conselhos...
mas tbm vejo o qto ele fica alegre por uma nova conversão ou pela restauração de uma família, é gratificante pra ele (e pra nós como a família do pastor)
é triste pra nós como familia pastoral, ver a desonra de algumas "ovelhas", mas cremos q Deus honrará de maneira correta áquele que ministra as vidas que pertencem ao Senhor Jesus

(karaka, até parece um desabafo...)

novembro 09, 2006 9:15 AM <$BlogCommentDelete?????????B?p??E?E????????????????????????????????????????†??????????????????????????????????†???????????????????????????????????????????????????????????????????4???????4?????????????????? ??????Icon$>
Anonymous Victor said...

Honrar ao pastor q é o nosso lider e q vai prestar contas a Deus é um dever e tbm um privilégio a esses homens q são usados e ungidos por Deus

novembro 09, 2006 1:26 PM <$BlogCommentDelete?????????B?p??E?E????????????????????????????????????????†??????????????????????????????????†???????????????????????????????????????????????????????????????????4???????4?????????????????? ??????Icon$>
Anonymous Thiago said...

Os pastores são nossos guias, são ungidos mas nem por isso deixam de ser humanos... De ter sonhos, desejos, carências, tristezas e terrível quando obrigamos nossos pastores se passarem por "perfeitos", "imaculados"... Tbm sou filho de pastor e sei o quanto ele sofre em não poder se abrir e te q sorrir mesmo quando quer chorar...

novembro 11, 2006 12:54 AM <$BlogCommentDelete?????????B?p??E?E????????????????????????????????????????†??????????????????????????????????†???????????????????????????????????????????????????????????????????4???????4?????????????????? ??????Icon$>
Anonymous Mancallas said...

poxa... que bencao! é uma realidade infelizmente muita gente so ta presente quando é para apontar o dedo ao pastor e nc para honrar ouvir ou ajudar! Que Deus abencoe toda a sua lideranca por este mundo fora nesta hora! PAZ fuiiiiiiiii

novembro 13, 2006 12:56 PM <$BlogCommentDelete?????????B?p??E?E????????????????????????????????????????†??????????????????????????????????†???????????????????????????????????????????????????????????????????4???????4?????????????????? ??????Icon$>

Postar um comentário

<< Home